Dois casos suspeitos de varíola dos macacos em Rondônia são descartados

Os exames dos pacientes foram encaminhados na última semana para o Laboratório de Saúde Pública da Fundação Ezequiel Dias (Funed), com sede em Minas Gerais, e para análise do Laboratório Central de Saúde Pública de Rondônia (Lacen).

Após os testes foi detectado que os casos investigados não são da doença conhecida como varíola dos macacos, sendo então descartados.

Segundo a Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) na tarde do domingo (12), o Ministério da Saúde foi informado da situação e já retirou da lista de casos suspeitos os notificados em Rondônia, que segundo a definição foram descartados por diagnóstico laboratorial.

Quem eram os pacientes suspeitos?

Os dois pacientes com suspeita de varíola dos macacos são agricultores de Rio Crespo (RO), cidade que tem 3,7 mil habitantes e está localizada a cerca de 200 quilômetros de Porto Velho.

Eles são casados e moram na zona rural de Rio Crespo. O homem tem 32 anos e a mulher tem 25 anos. Eles foram monitorados pela Agevisa durante todo o processo de coleta e análises dos exames.

2 de 3
As autoridades pedem que a população fique atenta aos sintomas clássicos da varíola dos macacos — Foto: Getty Images/via BBC

As autoridades pedem que a população fique atenta aos sintomas clássicos da varíola dos macacos — Foto: Getty Images/via BBC

Até esta segunda-feira (13), três casos da varíola dos macacos, o vírus monkeypox, foram confirmados no Brasil. Os três pacientes – sendo dois de São Paulo e um do Rio Grande do Sul – tinham acabado de chegar de viagens à Europa e estão isolados, em monitoramento.

A varíola dos macacos é transmitida principalmente pelo contato direto com a pele de alguém infectado e também ao se compartilhar objetos que tem muito contato com a pele, como roupas e lençóis.

3 de 3
Sintomas da varíola dos macacos — Foto: BBC

Sintomas da varíola dos macacos — Foto: BBC

‘Sensação que tinha sido atropelado’, diz 1º paciente com varíola dos macacos no Brasil

VÍDEOS: veja mais notícias de Rondônia

Conteúdo original publicado por g1.globo

Sair da versão mobile