Estado descarta caso suspeito de varíola dos macacos em Juiz de Fora

Na quarta-feira (29) passada o g1 mostrou que a suspeita havia sido divulgada pela SES-MG. Na ocasião, o paciente havia sido isolado para realização dos procedimentos e a amostra encaminhada para a Fundação Ezequiel Dias (Funed).

Na atualização desta segunda-feira, a SES-MG confirmou três casos positivos em Minas Gerais, todos em Belo Horizonte. O primeiro teve deslocamento para o exterior, o segundo e terceiro se deslocaram para São Paulo. A fonte provável de contaminação dos três casos foi por via sexual.

Minas Gerais reportou 21 casos suspeitos de varíola dos macacos ao Ministério da Saúde. Dez deles já foram descartados, oito seguem em análise e três confirmados, confira:

O que é a varíola dos macacos?

A varíola dos macacos é uma doença viral rara transmitida pelo contato próximo com uma pessoa infectada.

A transmissão pode ocorrer pelas seguintes formas:

  • Por contato com o vírus: com um animal, pessoa ou materiais infectados, incluindo através de mordidas e arranhões de animais, manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Ainda não se sabe qual animal mantém o vírus na natureza, embora os roedores africanos sejam suspeitos de desempenhar um papel na transmissão da varíola às pessoas.
  • De pessoa para pessoa: pelo contato direto com fluidos corporais como sangue e pus, secreções respiratórias ou feridas de uma pessoa infectada, durante o contato íntimo – inclusive durante o sexo – e ao beijar, abraçar ou tocar partes do corpo com feridas causadas pela doença. Ainda não se sabe se a varíola do macaco pode se espalhar através do sêmen ou fluidos vaginais.
  • Por materiais contaminados que tocaram fluidos corporais ou feridas, como roupas ou lençóis.
  • Da mãe para o feto através da placenta.
  • Da mãe para o bebê durante ou após o parto, pelo contato pele a pele.
  • Úlceras, lesões ou feridas na boca também podem ser infecciosas, o que significa que o vírus pode se espalhar pela saliva.

VÍDEOS: veja tudo sobre a Zona da Mata e Campos das Vertentes

Conteúdo original publicado por g1.globo