Estudo com astronautas revela efeitos das viagens espaciais no corpo humano

Um estudo sobre a perda óssea em 17 astronautas que voaram a bordo da Estação Espacial Internacional está aumentando a compreensão sobre os efeitos das viagens espaciais no corpo humano e medidas que podem mitigá-las.

A pesquisa acumulou novos dados sobre a perda óssea em astronautas causada pelas condições de microgravidade do espaço e o grau em que a densidade mineral óssea pode ser recuperada na Terra.

O estudo envolveu 14 astronautas do sexo masculino e três do sexo feminino, com idade média de 47 anos, cujas missões variaram de quatro a sete meses no espaço, com uma média de cerca de 5 meses e meio.

Um ano depois de retornarem à Terra, os astronautas exibiram, em média, 2,1% de redução da densidade mineral óssea na tíbia – um dos ossos da perna – e 1,3% de redução da força óssea. Nove não recuperaram a densidade mineral óssea após o voo espacial, apresentando perda permanente.

“Sabemos que os astronautas sofrem perda óssea em voos espaciais de longa duração. A novidade deste estudo é que acompanhamos os astronautas por um ano após sua viagem espacial para entender se e como o osso se recupera”, disse Leigh Gabel, professor da Universidade de Calgary, principal autor da pesquisa, que foi publicada nesta semana na revista Scientific Reports.

“Os astronautas experimentaram uma perda óssea significativa durante os voos espaciais de seis meses – perda que esperaríamos ver em adultos mais velhos ao longo de duas décadas na Terra, e eles só recuperaram cerca de metade dessa perda após um ano de volta à Terra”, disse Gabel.

A perda óssea ocorre porque os ossos que normalmente suportariam peso na Terra não carregam peso no espaço. As agências espaciais precisarão melhorar as medidas de compensação – regimes de exercícios e nutrição – para ajudar a prevenir a perda óssea, disse Gabel.

“Durante o voo espacial, as estruturas ósseas se afinam… Uma vez que o astronauta volta à Terra, as conexões ósseas restantes podem engrossar e fortalecer, mas as que se desconectaram no espaço não podem ser reconstruídas, então a estrutura óssea geral do astronauta muda permanentemente”, disse Gabel.

Os astronautas do estudo voaram na estação espacial nos últimos sete anos. O estudo não divulga suas nacionalidades, mas eles eram da agência espacial dos EUA, a Nasa, da Agência Espacial Canadense, da Agência Espacial Europeia e da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão.

Conteúdo original publicado por g1.globo