Perineoplastia: o que é, quando fazer, recuperação e riscos

A perineoplastia é a cirurgia para reconstruir e fortalecer os músculos pélvicos, quando outras formas de tratamento não apresentam resultado, especialmente nos casos de incontinência urinária. Esta cirurgia é muitas vezes utilizada após o parto e tem como função reparar as lesões do tecido de forma a recuperar a sua estrutura antes da gravidez.

O períneo é uma região muscular que fica entre a vagina e o ânus. Por vezes, o parto pode causar lesões nessa região, podendo causar frouxidão vaginal. Este tipo de cirurgia é muito utilizado para aumentar a força dos músculos pélvicos quando não é possível alcançar bons resultados apenas com a realização de exercícios de Kegel, por exemplo.

A cirurgia de perineoplastia demora cerca de 1 hora e, embora, seja feita com anestesia geral a mulher não precisa ficar internada no hospital, podendo voltar a casa após o término dos efeitos da anestesia.

Quando fazer a cirurgia

A perineoplastia está indicada para mulheres que foram submetidas a um parto vaginal e apresentam diminuição da sensibilidade durante o contacto íntimo, incontinência urinária ou alterações nos hábitos intestinais.

No entanto, também existem mulheres que não foram submetidas a um parto vaginal, mas que, por outras razões, podem necessitar de recorrer a esta cirurgia, como sofrerem de excesso de peso, por exemplo.

Qual médico consultar

O médico mais indicado para consultar no caso de se desejar realizar uma perineoplastia é o ginecologista, que poderá avaliar as queixas da mulher e orientar o melhor plano de tratamento.

Como é a recuperação

Na maioria dos casos, a recuperação é rápida e a pessoa pode voltar ao trabalho alguns dias depois, no entanto, pode ocorrer sangramento, o que é normal, e para isso deve-se usar um absorvente. Os pontos geralmente são reabsorvidos em cerca de 2 semanas.

O médico pode prescrever analgésicos para suportar a dor que se pode manifestar nos primeiros dias. Além disso, durante o pós-operatório é recomendado o seguinte:

  • Ingerir muita água e fibras, para evitar a prisão de ventre;
  • Evitar o contacto íntimo por cerca de 6 semanas;
  • Manter o repouso em casa durante 1 semana;
  • Evitar banhos quentes muito demorados durante as primeiras 2 semanas;
  • Evitar exercício intenso, como correr ou ir na academia, durante 2 semanas ou até indicação do médico.

Além disso, deve-se estar atento a qualquer sintoma que possa surgir, como sangramento intenso, dores fortes, febre ou corrimento com mau cheiro, por exemplo, que podem ser sintomas de uma infecção.

Possíveis riscos

A cirurgia de períneo, assim como a o pós-operatório, decorrem geralmente sem problemas, no entanto, como em qualquer procedimento cirúrgico, existem alguns riscos como desenvolvimento de infecções e sangramento.

Além disso, a pessoa pode sofrer de prisão de ventre nos dias seguintes à cirurgia e, caso a ingestão de água e fibras não seja suficiente, pode ser necessário tomar um laxante suave para amolecer as fezes e facilitar a sua evacuação.

Assim, é importante estar atento a sinais que podem indicar o desenvolvimento destas complicações, como febre acima de 38º, dor intensa, corrimento com cheiro fétido ou sangramento, por exemplo. Nestes casos é aconselhado ir imediatamente ao pronto-socorro.

Conteúdo original publicado por Tua Saúde