Varíola dos macacos: saiba como aeroportos devem proceder e quais cuidados passageiros precisam adotar

Em menos de uma semana, três casos da varíola dos macacos, o vírus monkeypox, foram confirmados no Brasil. Os três pacientes – sendo dois de São Paulo e um do Rio Grande do Sul – tinham acabado de chegar de viagens à Europa e estão isolados, em monitoramento. O g1 detalha a seguir quais protocolos e cuidados devem ser tomados nos aeroportos brasileiros em casos de passageiros com sintomas da doença.

As regras para lidar com uma situação de passageiro identificado com sintomas são determinadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e a nota técnica mais recente a respeito da varíola dos macacos foi divulgada no dia 3 de junho.

No documento, o órgão federal ressalta que não há no momento restrições de viagens, no entanto pacientes com sintomas ou resultado positivo para a doença não devem viajar até cumprirem o prazo de segurança para evitar a infecção de outras pessoas.

“Portanto, considerando que, no momento, não há orientação para restrições de viagens devido à doença causada pelo vírus Monkeypox, orienta-se que os viajantes atentem para sinais e sintomas dessa doença, evitem realizar viagens caso apresente-os e procure orientação de profissional de saúde no local em que se encontra”, diz trecho da nota.

Os casos desta doença começaram a ser identificados no dia 15 de maio em diversos países – já no Brasil, o primeiro foi no dia 9 de junho. Em Vinhedo, o jovem de 29 anos chegou a fazer o teste ainda na Espanha, mas viajou em seguida, e o resultado positivo veio quando ele já estava no Brasil.

“No momento, para prevenir a disseminação do vírus Monkeypox, orienta-se que as pessoas com quadros suspeitos fiquem em isolamento e evitem viajar até o desaparecimento das lesões na pele características da doença”, completou a Anvisa.

Em nota, o órgão federal disse, ainda, que tem acesso à lista de passageiros e de tripulações, e repassa as informações ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVs) e às secretarias de Saúde “sempre que casos suspeitos e eventos em saúde exigem monitoramento”. Os CIEVs e as secretarias fazem o acompanhamento.

Cuidados semelhantes aos da Covid-19

A Agência reitera que a transmissão da varíola pode ocorrer por contato físico direto com a pessoa doente ou material contaminado, e sempre que houver exposição próxima e prolongada sem proteção respiratória.

Por isso, os mesmos cuidados implementados para evitar o contágio da Covid-19 devem ser mantidos também para o outro vírus.

“Considerando que a transmissão do vírus SARS-CoV-2 ocorre, principalmente, por meio de gotículas do trato respiratório, as medidas relativas a uso de máscaras, etiqueta respiratória, distanciamento físico e higienização de superfícies atualmente já previstas nos regulamentos atuam de forma sinérgica para reduzir o risco de disseminação de ambos os vírus.”, informou.

Devem ser mantidas utilização de máscara facial, distanciamento físico e higienização frequente das mãos, além da limpeza regular dos ambientes após sua utilização.

2 de 3
Fique atento aos sintomas da varíola doa macacos — Foto: Getty Images

Fique atento aos sintomas da varíola doa macacos — Foto: Getty Images

De aviso do piloto a socorro na pista

O g1 entrou em contato com o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, que informou que segue com rigor o protocolo da Anvisa.

O terminal listou os seguintes cuidados:

  • A pessoa que apresenta sintoma na cidade de origem não deve embarcar.
  • O passageiro deve notificar a sua situação nos postos da Anvisa localizados nos aeroportos e seguir a orientação das autoridades de saúde.
  • Se a pessoa conseguiu embarcar, durante o voo há o protocolo em que o piloto informa a situação à torre de controle.
  • A torre de controle avisa o aeroporto, que aciona todas as autoridades de saúde.
  • O passageiro não desembarca no terminal junto aos demais viajantes.
  • O veículo de atendimento médico – Samu, por exemplo – estaciona junto à aeronave e recebe o pasageiro.
  • Em seguida, ele é levado para atendimento conforme orientação das autoridades sanitárias.

3 de 3
Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas — Foto: Reprodução/EPTV

Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas — Foto: Reprodução/EPTV

Sintomas da varíola dos macacos

  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Dores musculares
  • Dor nas costas
  • Gânglios (linfonodos) inchados
  • Calafrios
  • Exaustão
  • Dentro de 1 a 3 dias (às vezes mais) após o aparecimento da febre, o paciente desenvolve uma erupção cutânea, geralmente começando no rosto e se espalhando para outras partes do corpo.
  • As lesões passam por cinco estágios antes de cair, segundo o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos. A doença geralmente dura de 2 a 4 semanas.

A varíola dos macacos vai virar uma pandemia?

Conteúdo original publicado por g1.globo